Pesquisar este blog

domingo, 29 de novembro de 2009

Rota 21 -Capítulo 10 ( Final).

Contagem (Minas Gerais) – 25 de fevereiro, Quarta-feira de Cinzas; 9h.



Um padre velinho e barbudo está ministrando uma missa.
-Em nome do pai, do filho...
Entram Caetano e Sílvia com policiais, todos se viram para a porta da igreja. Caetano sobe ao altar e algema o padre.
-O senhor está preso, senhor Sérgio de Melo Trindade.
Os fiéis ficam indignados.
-Ele não é padre senhores, é um traficante procurado. –Sílvia.
Caetano tira a barba postiça de Sérgio.
-Fim de linha doutor. –Caetano.
Ele é colocado no camburão da viatura.
Na delegacia, Pedro Archanjo ver Aristóteles retirando suas coisas.
-Fui afastado, agora vou pra casa, quem sabe dançar com minha esposa Detalhes de Roberto Carlos. Há tempo que não danço com minha esposa.
-Vamos a um barzinho gente comemorar a prisão de Sérgio de Melo Trindade. – propõe Sílvia ao chegar com Caetano.
-Estou indo embora. –Aristóteles abraça os dois.
-Eu não posso, eu vou visitar uma pessoa. – diz Archanjo.
-Então babou, eu iria antes mesmo levar uma pessoa de volta pra casa.
Sílvia leva Yasmim de volta pra casa, ela ao entrar ver os pais que a abraçam a lágrimas.
Sílvia o olha e se emociona.
-Minha filha. – a mãe.
-Nunca mais faça isso. – o pai.
Yasmim ver os pais da sua amiga, Ângela. Ela os abraça.
-Lamento a polícia até agora não encontrou o corpo da sua filha. – fala Sílvia.
Aristóteles chega em casa e é abraçado pelos filhos e esposa.
-Ao papai tudo! – grita o filho.
-Obrigado.
-Fiz a torta que você tanto gosta querido. – a esposa.
Depois olham os vídeos da família, todos juntos, ele se emociona.
-Não é justo esquecer isso, os dias mais felizes da minha vida.
Pedro Archanjo toca a campainha da casa de Lara. Ela abre a porta.
-Pedro Archanjo.
-Tá ocupada essa noite?
-Não.
-Eu gostaria de saber se você...
-Está me convidando para sair?
-Sim, estou. – sorrir – Aceita?
-Claro. Por que não?
Sílvia está num bar, chega Caetano.
-Achou que iria comemorar sozinha?
Ela sorrir.
-Os exames não deram nada. Você está ótima graças a Deus. Amor você se arriscou muito se tornando cobaia disso.
-Mas se não fizesse isso, não prenderíamos Sérgio e tantos outros envolvidos. O esquema era muito grande, e ainda têm outros que nem foram presos. Só lamento as vidas que perdemos. Amanhã começa tudo de novo.
-Mas na próxima semana saem a s nossas férias. Que tal viajarmos?
-Qualquer lugar menos Nova Iorque. – sorrir.
-Agora podemos voltar pra casa e tomar um banho de banheira juntos. Que tal?
-Achei a idéia maravilhosa.
Cosme chega em casa, abre a porta e Paula quebra um jarro na cabeça dele e foge com uma mochila deixando a porta aberta.
Ela vai ao porto da Barra, tira algumas notas da mochila e guarda na carteira, o resto ela joga no mar. Ela olha as ondas levando o dinheiro.
Ela se lembra do dia que colocou o dinheiro na carroceria do caminhão de Cosme e Damião, estava com um casaco que escondia o rosto.
Depois se lembrou no dia que contou que estava grávida a Cosme, antes dele entrar, ela provocou o vômito introduzindo um dos dedos na boca, antes comprou um teste de farmácia e pediu a uma vizinha que estava grávida que fizesse o teste.
Ela está com uma peruca loira na Rodoviária de Salvador, ela entra no ônibus. Não entende porque está triste, desconhecia o significado do amor. Passa pelos passageiros, estava sentindo a falta de Cosme. Senta-se.
O ônibus parte, uma mãe no ônibus começa a cantar uma música para a sua filha dormir, Paula começa a chorar, era a música que a sua mãe cantava para ela na infância.
Perdeu a infância muito cedo. A mãe fica inválida depois de derrame, o pai desempregado, ela aos 14 anos começa a fazer vida para sustentar os pais. Os pais ao descobrirem como ela ganhava o dinheiro a expulsam de casa. Ela depois para no calçadão.
Ela não sabia, iria para a Cidade do Porto, em Portugal, fazer o que a vida permitiu que ela aprendesse, a se prostituir.
Carolina no pátio do presídio ver os filhos de umas presas brincando no pátio. Ela alisa a barriga.
Lembra-se de Paulo, das frases que ele dizia a ela quando a conheceu, quando ainda era casada, “Você é linda, uma deusa.”, “Te amo”, “Você é perfeita, o seu rosto é de princesa”. Abraça-se, os seus olhos se enchem de lágrimas.
Robson no centro de recuperação para drogados, está na cela, nu, deitado no chão de bruços, chorando.
Rafael na sala de visita recebe a esposa e a filha careca e o filho na cadeira de rodas. A esposa a alisa o rosto do marido e entrega uma Bíblia a ele.
A mãe de Pérola olha a foto da filha, está chorando, é consolada pelo ex-marido, ela deita a cabeça dela no ombro dele.
No cemitério entre vários túmulos o de Luís André.
No oceano afundando o corpo de Renato.
Num parquinho, sentada num banco, Bárbara olha as famílias juntas, reunidas, felizes e ela sozinha.
Lembra-se da infância, desejou que voltasse a ser criança, nessa época não sabia o que os pais faziam, era inocente, brincando na varanda da casa com a sua mãe. Estava mais segura no útero da mãe do que agora.
Cosme anda descalço pela Paralela, enxuga as lágrimas com as costas das mãos. Anda pela passarela sem rumo. Tapa a boca com o braço. Deita na grama, olha o céu.
A polícia acha na construção abandonada o corpo de Damião.
Dançam Aristóteles e a esposa Detalhes de Roberto Carlos.
Na banheira, abraçados, juntinhos, Sílvia e Caetano.
Lara e Pedro Archanjo no restaurante conversando como velhos amigos. Quando ele pega na mão dela.
Por fim, Branca e outras detentas vão falar com outra presidiária.
-Mostre a ela qual o pagamento dela por ter dedurado nós. – Branca.
As outras chutam a mulher e Branca olhando tudo. Chegam as carcereiras, elas se afastam inclusive Branca.
Deixando a mulher caída no chão.
-O que está acontecendo aqui? – pergunta a carcereira.
-Não sei de nada. – Branca.
Os policiais queimam a cocaína apreendida, enquanto a droga vira cinza eles sabem que vai aparecer outro, outro e outro. Crianças serão seduzidas pelo tráfico. Vidas e famílias destruídas até o governo tomar a decisão de acabar com isso, vendo onde está o problema, a falta de uma escola que eduque e emprego para uma vida digna.





Salvador, 07/08/2008.
Virgilio Kruschewsky.

Nenhum comentário:

Postar um comentário