Pesquisar este blog

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

O Universo de Um Instante - Interlúdio II

Primeira viagem aos campos de centeio

"...Naquela leda e sonora madrugada
O sol despontava à oeste do leito que ali surgiu
A garota levanta-se, sem entender nada
Como fora parar naqueles campos, com desertos e rios
Do seu quarto e de sua velha vida, só sua cama restava
Não pensou que pudesse estar sonhando,
pois era carne e osso, corpo e alma, razão e coração... Concluiu

Da colina distante, uma criatura veio
Metade homem, metade estrela
Sua forma a mente não conseguia decifrar
Mas ele estava em sua frente e se preparou pra falar
Quando um alto ruído interveio
A conversação e os campos cortou ao meio
Fazendo Carolina para sua outra vida retornar

Aos pés da cama, assustada olhava ao redor
De onde viera, o que aconteceu? O que sentia
Gostaria de voltar e saber o homem lhe diria
Deitou mais uma vez, mas permaneceu acordada e só
A tristeza assolou o resto de seu dia
Mas ela sabia que a noite viria
E aos campos ela tornaria a viajar..."

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

O Universo de Um Instante - Interlúdio I

O Enigma dos Sonhos
19

"Distrai-se com as folhas de outono
Caídas, obra do vento
E volta a uma infancia remota
Se perde em pensamento
As mãos delicadas afrouxam do violino
Deixando cair, e partir o instrumento

O tempo, o mar, os campos
Enriquecem a incansável mente
De uma menina bela, sonhadora e inocente
Sua mãe a chama, quer mostrar que a ama
Mas gostaria de tirar de sua face
Essa ingenuidade transparente

Lembranças de um "onde" que não esteve
Enchem sua cabeça quando suas pálpebras se encontram
A realidade, a cidade, a idade por sorte sempre voltam
Mas dessa vez ela tem por certeza, a verdade se absteve
A resposta sua mãe não obteve, mas agora os pássaros cantam
Para a terra dos sonhos, Carolina e sua mente partiram..."

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Rota 21- Capítulo 5.

Capítulo 5.


Nova Iorque, 08 de fevereiro; 16h14min.


Acaba de sair da sala Paloma.
-Yasmim está queimando em febre. -Sílvia.
André examina Yasmim.
-Coloque pano úmido na testa dela. Já deu remédio para abaixar a febre dela?
-Já. -Sílvia.
-Ela tem que beber muito líquido.
Ela se levanta e Carolina lhe dá um pacote.
-O patrão pediu que lhe entregasse.
-Como vou entrar num avião com dois quilos de cocaína?
-Se vira. Eu tenho que pensar em tudo.
Paula e Pierre estão numa barraca vendendo água de coco. Pierre entrega o coco e pega o dinheiro, enquanto Paula coloca uns saquinhos com cocaína dentro do coco.
Carolina está se maquiando, Sílvia está sentada na tampa do vaso a observando.
-quanto tempo você está trabalhando na área?
-Por que está me perguntando isso? Isso não é da sua conta.
-Quem é o seu chefe?
-Eu não estou gostando do interrogatório. -se retira.
Paula e Pierre estão na frente de uma faculdade em Recife. Chega um estudante e compra droga na mão de Pierre, ele está do lado de fora do carro, Paula dentro do carro fazendo a unha, com óculos escuros. Aproxima-se um grupo de meninas que compram a droga.
Paula sai do carro quando as meninas se retiram.
-Vamos vazar tem uma viatura logo ali, vamos para a porta de outra faculdade.
Entram no carro e partem.
Carolina vê Sílvia no rool falando ao celular, Sílvia ao vê-la desliga.
-Me dê. -Sílvia entrega o celular.
Carolina liga para o número, chama, a e chama, ninguém atende, desliga.
-Com quem estava falando?
-Estava tentando ligar para casa.
-Ah de você se eu descobrir que você está me mentindo. -joga o celular no chão e pisa até esmagá-lo e se retira.
Carolina entra no quarto e vê Paulo fazendo a barba.
-Quando vamos sair daqui?
-Logo, só acabarmos de vender a droga e fugimos para o México.
-Por que vamos fugir com o dinheiro/
-Paulo limpa o rosto com a toalha e pára na frente dela.
-Acha mesmo que o tal vai dá 80 milhões?
Robson e Renato chegam em Roraima e abrem o caminhão, ver as caixas, Renato sobe e abre uma caixa e tira uma cartela e mostra a Robson a cartela com os comprimidos de cocaína e rir.
Renato acorda , estava dormindo, levanta da cama e ver Robson com uma espécie de conta gotas cheirar cocaína, por a porta estar aberta.
Robson já está dentro do caminhão, chega Renato e entra e tira do bolso da calça dele uma cartela.
-Tome, presente meu. -rir.
André está em casa cheirando, toca a campainha, ele esconde as coisas, se arruma e se olha no espelho e abre a porta, era o pai da sua falecida esposa.
-Senhor João. - este entra.
-Como está?
-Péssimo, eu nem sei mais quem sou o que quero. -com lágrima nos olhos.
-Já se faz um ano filho, a minha filha não gostaria de te ver assim.
-Eu a amo tanto, a amo mais do que a mim mesmo. O senhor acredita?
-Acredito, a sua dor tem vezes que parece maior do que a minha que sou pai.
-Ela tinha que ter me escutado, não ter pego a BR tarde da noite e chovendo. Eu não me perdo-o.
-Foi uma fatalidade, você estava trabalhando.
Se abraçam e André chora como um menino.
Renato chega ao Rio de Janeiro e vai falar com o patrão. Renato ouve uma conversa do patrão com o Roliço.
-O senhor vai pagar mesmo a quantia que prometeu a eles?
-Óbvio que não, antes os matarei.
André pára o carro perto de um precipício. Se viciou depois da morte da esposa, pensava o que sua esposa estaria pensando dele agora. Arrepende-se de não ter tido um filho com ela, pelo menos não se sentiria tão sozinho, sem um motivo para viver, tira do saco o pacote, sai do carro, pensa em jogar, mas era fraco de mais para o ato, estava completamente submetido a droga.
Chega no hospital, é recebido com um bolo e os colegas começam a cantar parabéns, entre eles Fausto.
-Que brincadeira de mal gosto é essa? Vocês sabem que não comemoro mais o meu aniversário, porque nessa data também faleceu a minha esposa num acidente horrível. -ele começa a chorar e cai no chão, Fausto tenta o levantar.
-Desculpa cara, eu pensei que isso não lhe faria tão mal assim.
-É melhor você não trabalhar, descansar.
Fausto o leva até em casa de carro.
-Obrigado. Se quiser pode usar o meu carro para voltar.
-Não, eu pego um táxi. Você tem certeza que quer ficar sozinho?
-Nenhum dia tive tanta certeza como hoje o que eu quero. Chega uma época em que um indivíduo perde tudo até o caráter. -sai do carro.
Entra no apartamento se joga no sofá e vira-se e vê a foto dele com a esposa. Levanta-se, vai até o quarto, abre uma gaveta e tira debaixo da roupa uma arma, pega a arma e fecha a gaveta, tira o tambor e coloca uma bala, está tremendo e chorando, senta na cama, abre a boca e coloca a arma, ele começa a sentir falta de ar, treme, soa, e tira a arma da boca e começa a chorar.
Paulo está dormindo, Yasmim na sala acorda Paloma.
-silêncio, vamos fugir.
-Como?- Yasmim mostra a presilha.
Yasmim consegue abrir a porta com a presilha.
-Vamos a polícia e comunicamos o caso. -Ela fala isso para as outras meninas, Yasmim e Paloma descem a escada devagar.
-Onde pensam que vão?
Aparece na saída Carolina, Yasmim a empurra e foge correndo, Paloma iria sair, mas Carolina a segura.
Desce a escada Paulo.
-Ela foi por ali. -Carolina fala apontando com o rosto.
Paulo corre atrás de Yasmim, essa corre.
-Socorro, me ajudem...Socorro!
Paulo a agarra.
-Quietinha
Ela começa a chorar. E ela é jogada no chão por Paulo ao chegar ao prédio.
Pérola e os amigos compram roupa para Pereba.
-Agora você está um mauricinho Pereba. -Fala Fabrício.
Depois andam de bicicleta pelas ruas e todos depois se reúnem na casa do Tuca. Os pais dentro de casa e eles na piscina. Regininha tomando sol, Pereba e Pérola sentados na beira da piscina, Fabrício dentro da piscina e Tuca chutando uma bola contra a parede.
Fabrício joga água em Pereba e Pérola.
-Ai garoto!- Pérola.
-Daqui a pouco vai chover. -fala Regininha ao olhar para o céu.
-Regininha que maior caó é esse pô?! -fala Tuca.
-É sério gente.
Fabrício joga o pó na beira da piscina e cheira ainda dentro da piscina.
-Aqui ó Tuca o que me pediu. -Pereba entrega o pacote a Tuca, que deixa em cima da cadeira e cai na piscina.
Pereba alisa o rosto de Pérola.
-Como é teu nome Pereba?
-Djalma.
-Que bonito. - o beija.
Na escola no dia seguinte, após o intervalo ela vai falar com o namorado.
-Vamos ao cinema?
-Não tô a fim.
-como não?
-Eu tô em outra, quero terminar.
-quem é? O Fabrício?
-Fabrício é amigo. E acha que vou dizer quem é para você encher ele de porrada? Ele não é da escola e você não o conhece.
-Você está fazendo a maior burrice da sua vida garota. Escreve, - ele se retira.
Ela em casa fumando um cigarro enquanto estuda, toca a campainha, ela desce, era o Pereba.
-Olhe o que eu trouxe pra tu. - tira debaixo da camisa o pacote.
-Obrigado. -o beija-Entra a coroa não tá em casa.
-É melhor não, te vejo na praia a noite.
Ele ao sair esbarra na mãe de Pérola.
-Quem é ele?
-Colega da escola.
A mãe entra e coloca na mesa as compras e a filha fecha a porta e esconde o pacote.
-E a escola já aceita indivíduos da cor dele? Vou falar com o seu pai essa escola não serve mais para você.
-Mãe estamos no século XXI. -ela fala subindo a escada.
Ela ao anoitecer vai a praia e corre com Pereba na praia, um joga areia um no outro, sujam os pés de areia, deitam, se rolam na areia.Eles ficam depois andando, olhando as estrelas, ela segurando a cintura dele.
-Gosto bastante de tu.
-Eu também, você me trouxe muitas coisas boas. A minha casa tá um inferno, só agüento minha mãe chapada.
-Vamos fugir?
-Pra onde? -ela sorrir.
-Sei lá, qualquer lugar seria perfeito com você. Lá no morro tem uma casa em que não há ninguém morando nela, se eu pedi ao poderoso, quem sabe ele libera.
Maria Clara entra no ônibus para Boca do Acre, passa por várias pessoas e sentá-se ao lado de uma senhora bem gorda e ruiva, ela coloca o fone no ouvido. O ônibus começa a se movimentar, ela abraça a mochila, ela olha para a senhora que disfarça que não estava olhando para ela, Maria Clara boceja.
Começa a observar os ocupantes do ônibus, uma senhora de cabelos brancos começa a costurar; uma mulher escura conversa alguma coisa com um menino, talvez seja a mãe dele; ao lado um rapaz perde-se no tempo olhando a cidade pela janela; em frente havia um casal trocando carinhos, eles deveriam ter uns quarenta e poucos anos.
Anoitece, ela acorda, ela tinha pegado no sono, tira o fone.
-De onde você é? -pergunta à senhora ruiva.
-Sou de um interior de São Paulo.
-O que está fazendo aqui?
-Vou visitar um namorado.
-Nossa mora longe ele!
-Nos conhecemos na internet.
-mas isso é perigoso menina.
-E a senhora mora em Manaus/
-Sim, mas sou acreana, já moro em Manaus há 10 anos, vim por causa do meu filho.
-O que a senhora vai fazer em Boca do Acre?
-Visitar uma parenta que tá muito doente coitada.
-por que não a levam para Manaus? Com certeza deve ter mais recursos.
-Ah é cabeça dura, mas boa pessoa. Você é bonita.
-Obrigada.
O ônibus pára.
-Por que será que parou.
-É uma blitz.
-Eu vou ao banheiro, com licença. -leva a mochila.
Entra no banheiro.
-Droga. O que eu faço.
Abre a mochila, pega um saco e coloca o dinheiro nele, abre a tampa do reservatório da descarga e coloca o saco lá, dá a descarga, sai do banheiro e dá de cara com um policial.
-O que estava fazendo?
-Xixi.
-E por que levou a mochila?
--É que tem maquiagem, sabe mulheres, vaidosas.
-Me dê a mochila. -ela entrega.
Ele abre, tem maquiagem e outras coisas.
-Por que não tem roupa nessa mochila?
-Tem uma mala aí embaixo com as minhas roupas.
-Mas tem bastante espaço aqui.
-Sabe como são as mulheres nunca facilitam.
-desce para ser revistada.
Ela desce, a revistam, tiram as malas e dão para os cachorros cheirarem.
Ela é liberada para voltar ao ônibus, ver ao subir que um policial está revistando o banheiro, ela finge um desmaio.
Os policiais tentam a animarem de novo, o policial que está no banheiro é chamado, ela abre os olhos e ver muita gente ao redor dela.
-Está bem?
-Estou...
Ela senta-se ao lado da senhora, pega o terço que estava no bolso da calça e começou a rezar e os policias se retiram e o ônibus volta a andar.
-Você tá gelada menina. Está bem?
-Nada, não há nada.
Ela levanta-se e vai ao banheiro e tira o saco do reservatório da descarga e guarda na mochila
O ônibus chega a Boca do Acre, ela desce do ônibus e se despede da senhora ruiva. Hospeda-se num pensionato antes de ir ao encontro com o homem. Comprou cordas e pegadores. Está deitada na cama olhando as notas estendidas na corda para secarem.
No dia seguinte, ela foi ao encontro.
-Roliço. -ela sorrir.
-Oi menina, entre. -ela entra no carro e entrega a mochila.
-Tá tudo aqui?
-Sim.
-Por que demorou?
-Tive alguns probleminhas, já posso ir?
-Não, você vai comigo.
Rafael pára em frente a um templo chinês, estar na lotada Pequim, o trânsito confuso, o barulho da cidade, habitantes andando com as suas bicicletas numa cidade cada vez mais poluída. O velho e o novo, o comunismo e o capitalismo numa mesma cidade.
Pensa em sua vida, nos anos que passou na cadeia, na sua esposa e filhos. o que ocorrerá daqui pra frente era uma incógnita. Ele só sabia que tinha que vender cocaína para um mafioso. Ele chega na mansão, há várias mulheres orientais, estão na sala. Uma está num queijo dançando num mastro, outras duas se agarrando no sofá, uma aparece vestida de faxineira, só na frente (de costas estava completamente nua).
No meio da sala tinha um ofurô, onde estava o mafioso com mais meninas nuas.
Como bom traficante ele aprendeu inglês para ganhar em dólar. A negociação durou uma hora. Ao sair o mafioso oferece a ele uma linda mulata brasileira, que estava de cinta liga.
-No, thank you.

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

PRIMEIRA TEMPORADA - 3° CAPITULO - BOM DIA - CONDOMINIO BABILONIA

CAPITULO 1
CAPITULO 2

00h05min da madrugada
LE BOULEVARD-AVENIDA PAULISTA
30/10/2020

O Passado de Fernanda havia voltado mais uma vez naquela madrugada, e ela tomou uma séria decisão, voltar para onde tudo começou. Ela estava no famoso bordel de madame Boulevard, uma antiga e famosa cafetina da região, ela era uma mulher refinada, e naquela noite vestia um vestido vermelho, com lindos cabelos longos ondulados e um leque de sua viagem ate a espanha em seus tempos de maior glória. Madame Boulevard nem aparentava ter 60 anos.
Fernanda já estava dentro do local, era um lugar com poucas luzes, paredes avermelhadas se fundiam com as luzes do local, garotas dançavam em mesas para clientes VIP’s, afinal Boulevard só trabalhava com a alta classe de empresários, e havia muitos homens aquela noite.
Fernanda ainda conhecia algumas pessoas que trabalhavam no local, como seu antigo namorado, o segurança de Madame Boulevard, ela foi se logo se aproximando dele e dizendo que queria falar com Madame.
-Ricardo! Eu tava precisando falar com a Madame - disse Fernanda meio aflita.
Ricardo não olhava na cara dela, e ela insistia, mesmo não entendo o que estava havendo. Fernanda insistiu tanto que Ricardo chamou dois seguranças para levá-la para fora do local. Ela se sentiu humilhada ao cair na sarjeta.
-Nunca mais volte aqui ou será pior. Disse Ricardo com uma cara nada agradável.
Perto dali, no bar JAZZMAN Marcelo com seu trio estavam terminando o show para os empresários, eles haviam tocado por 3 horas, e estavam fazendo a última música. Juliana atrás do balcão estava toda sorridente, ela sabia que os empresários estavam adorando o trio.
15 minutos depois.
Os empresários interessados vão conversar com o empresário do trio. Marcelo e o grupo ficam aflitos, eles sabiam que o trio podia levar outro fora. Eles precisavam muito da ajuda daqueles empresários, o futuro deles poderia mudar naquela noite, Carlos já estava até imaginando como seria uma turnê européia com o trio, ou ate quem sabe uma apresentação no festival de Montreux.
Depois de uma longa conversa os empresários vão embora. O empresário do trio disse que não diria nada naquela noite, e que era para cada um esperar a resposta em casa. Os empresários não haviam gostado do trio, apenas se interessaram por um integrante, e eles o queriam levar para tocar em uma orquestra. Os três se olharam um para os outros, com uma cara de espanto, dependendo de quem fosse o trio iria acabar.
- Eu não entendo, eles estavam com uma tão agradável. Como se estivessem adorando. Disse Juliana ao fundo, atrás do balcão.
Um silêncio pousou no lugar. Todos começaram a arrumar a guardar cada um seu instrumento, e foram para casa.

31/20/2020
07h40min
CONDÔMINIO BABILÔNIA
CÉU SEM NUVENS-24 GRAUS

A noite tinha sido maravilhosa para Elizabeth, ela até havia esquecido a briga que tivera com Alberto.
Aquela manhã de sábado estava realmente agradável, os meteorologistas haviam dito que seria um dia sem expectativas de chuva.
-Amor... Acorda. Nós vamos ao Ibirapuera hoje esqueceu. Disse Alberto trazendo o café da manhã para Elizabeth na cama. Elizabeth estava com uma alegria estonteante.
Aquela manhã Matheus havia preparado o café da manhã, e Pietro tinha trazido a namorada para passar a noite em casa com ele. Estavam os três lá embaixo.
De repente a campainha toca, Pedro vai atender. Era um entregador segurando um belo buquê de rosas brancas e vermelhas, eram para Elizabeth, Pietro chama o pai para receber a encomenda. Alberto discretamente desce, e recebe o buquê, levando-o direto para o quarto para as mãos de Elizabeth. Ao receber o buque Elizabeth chora de emoção.
-Fazia tempo que eu não recebia um buquê tão lindo vindo de você amor. Disse ela com os olhos lacrimejados.
Ele a beija.
Do lado de fora o dia estava realmente bonito, e na casa ao lado Marina estava com sua cadeirinha tomando café em frente sua casa, mas desta vez com a companhia agradável de seu filho.
Um táxi vem chegando. Fernanda descia dele toda descabelada e com os sapatos de salto alto quebrados levando em suas mãos. Marina e Pietro deram bom-dia pra ela. Ela sem graça foi se aproximando dos dois e perguntou se podia tomar café na casa deles. Marina educadamente chama a colega para entrar e tomar café com os dois. Marina fica espantada e na mesa nada fala ou pergunta sobre o ocorrido.

Juliana acabara de acordar, olhou para o lado e não viu Marcelo ao seu lado deitado. Ela se levantou e foi até a sala verificar se o namorado estava lá. Marcelo estava lá no sofá com um saco de salgadinho na mão, e no chão uma garrafa de refrigerante . Marcelo estava com uma cara de sono, parecia que não tinha dormido um segundo aquela noite.
-Amor, eu não acredito que você não dormiu, eu achei que você só ia deitar no sofá para assistir o filme, não imaginava que iria passar a madrugada inteira acordado!!! Disse Juliana espantada.
Havia um motivo na qual ele não tinha dormido, o misterioso telefonema do empresário.
-Até agora não tocou Ju, eu sei que o telefone vai tocar, deve ser por causa do horário, aqueles empresários não devem ter se acostumado ao fuso-horário. Disse Marcelo quase fechando os olhos - Vamos deitar Marcelo, deixa que se o telefone tocar eu atendo, venha. Disse Juliana pegando Marcelo pelos braços e o levando até o quarto.

08h05min
Pedro se despedia de Amanda, sua namorada, uma menina linda cabelos loiros, olhos verde e alta como Pedro.
–Eles formam um belo casal. Dizia Marina para Pietro sentado no quintal de sua casa, vendo a cena do beijo.
Marina levantou-se indo para dentro de casa, ia acordar Orfeu, ele sempre acordava tarde, era muito preguiçoso quando estava deitado em uma cama, mas quando ele ficava de pé ninguém o segurava sempre muito agitado ajudando a mulher, fazendo caminhada, consertando uma coisa aqui outro ali, sempre estava disposto, mas se deitasse em uma cama, só Marina o levantava.
Chegando ao quarto, Marina deu um selinho em Orfeu, dizendo:
-Acorde meu bebê! Já é de manhã!
Toda manhã era sempre a mesma frase e o mesmo ritual, e Orfeu acordava com um grande sorriso parecendo uma criança. Mas naquele dia foi diferente, Orfeu não estava sorrindo estava com uma cara de espanto.
-O que foi Amor? Que cara é essa? Você está bem?- Disse Marina preocupada.
-Eu tive um sonho muito estranho. Sonhei que Fernanda estava em um hospital e eu estava visitando ela com um buquê de rosas. Disse Orfeu de boca aberta e com uma cara de espanto.
Marina levantou-se bem rápido da cama.
–Nossa que coisa estranha! Mas foi só um sonho! Eu mesma já sonhei que conversava com o fantasma do Pavarotti! Disse Marina dando um sorriso e indo para o banheiro. Orfeu levantou-se e foi para a cozinha.
Na casa de Elizabeth tudo parecia estar normal, a família toda reunida escolhia um lugar para irem naquele sábado, Elizabeth queria um piquenique no Ibirapuera, Pedro queria ir pro Playcenter, Matheus querendo ir almoçar em algum restaurante ou rodízio, e Alberto estava sentado em sua poltrona esperando os 3 decidirem um lugar. O celular de Alberto começa a tocar, ele se levanta e vai até o jardim dos fundos para atender o celular.
-Ok! Claro, Claro! Não hoje não posso! Cancele, eu não falei que era pra marcar, Você que quis! –respondia Alberto ao telefone.
Alberto desligou o telefone bravo.
-Quem era Amor? Era do serviço? Disse Elizabeth sorridente.
-Era o Guilherme amor, queria que eu fosse trabalhar hoje, e ainda marcou horário de uma reunião pra mim, mas fica tranqüila que eu já resolvi tudo, e nem irei trabalhar hoje.
Alberto sentou-se de volta à poltrona, e deu um sorriso para Beth.

09h00min
Juliana estava deixando o café preparado para Marcelo, ele ainda estava dormindo e estava em um sono profundo no quarto, Fernanda estava preocupada o telefone não havia tocado ainda, ela estava com impressão que os empresários não iriam ligar aquele dia ou qualquer outro dia. Na hora que ela começou a colocar os biscoitos no pote o telefone começou a tocar, ela imediatamente largou tudo que estava segurando e correu para atender.
Pronto! Quem fala?
-Juliana! Oi, sou eu o Carlos, estou ligando pra avisar que os empresários não vão levar o Marcelo, eles escolheram a mim, eu achei melhor ligar porque sabia o quanto Marcelo sonhava com isso, e eu pensei que ele estivesse aflito pra saber, mas fala pra ele... Fernanda desligou o telefone e começou a cair uma lágrima de seu olho.
Juliana voltou a fazer o que fazia, e pensava em uma forma de dizer para Marcelo aquela noticia horrível, Marcelo com certeza iria ter uma reação triste.
Lá na rua de repente começou a tocar uma buzina de carro, tocava repetidamente, Juliana estranhando foi até lá fora ver o que era. Chegando lá fora, todos haviam saído para ver quem era. Quando olharam descer do táxi era inesperadamente Márcia, ela estava linda como sempre com seu estilo adolescente, Márcia tinha 35 anos, mas quem a olhava achava que ela tinha 15, seus belos cabelos loiros, olhos pretos, e sempre com uma pose de modelo, ela estava bem arrumada, vestia uma calça jeans, uma blusinha pólo preta e um pequeno espartilho branco, ela estava sorridente.
Juliana saiu correndo pra abraçar a amiga, Elizabeth e Fernanda que estavam do outro lado da rua correram para abraçá-la também..
Márcia foi logo convidando todas as 3 para entrarem em sua casa, ela morava ao lado de Fernanda.
O taxista guardava as malas dela dentro de casa e indo embora, elas correram para sentar no grande sofá de couro branco da Márcia, para querer saber como foi à viagem para os Estados Unidos, queriam saber se ela tinha arrumado algum novo namorado, estavam interessadas em todos os detalhes, afinal Márcia tinha ficado longe por 1 mês.
Márcia foi logo começando a contar tudo, tinha ficado com um rapaz nos Estados Unidos, comprou várias roupas em Nova York, havia tirado várias fotos, e feito muitas coisas interessantes. Terminando a história Márcia queria saber o que tinha acontecido no Condomínio e na vida das amigas todo o mês que ela havia ficado fora, Juliana e Elizabeth se olharam pensando se falariam sobre o caso da Fernanda ter apanhado de um garoto de programa e ter envolvido Orfeu na briga.
-Eu me envolvi com outro garoto de programa, e acabei cometendo uma grande besteira, apanhei e infelizmente ele bateu em Orfeu também, porque Orfeu tentou impedir o garoto - Disse Fernanda com a cabeça baixa e uma voz seca.
Todas olharam para ela com cara de espanto, principalmente Beth e Nanda que não esperavam que a amiga fosse criar coragem para falar aquilo.
-Fernanda, eu não acredito, a gente já tinha conversado sobre isso, e você disse que não iria sair com mais nenhum garoto de programa, você quebrou uma promessa Fernanda - Disse Márcia indignada. Fernanda e Márcia eram como carne e unha, sempre estavam juntas, uma na casa da outra, uma contava segredos para outra, havia coisas e histórias que Beth e Juliana desconheciam, e sobre Fernanda sair com garotos de programa, Fernanda havia prometido para Márcia que não iria mais se relacionar com eles, mas a promessa foi quebrada. Márcia ficou muito triste com o que a amiga havia feito.
-Márcia, não me julgue, por favor, eu tive meus motivos, está se passando tantas coisas na minha cabeça, eu não suportei, e acabei saindo com ele, desculpa Márcia, mas não vamos falar disso agora, por favor. Disse Fernanda chorando.
As quatro se abraçaram e Márcia começou também a derramar lágrimas.

12h00min
Elizabeth se arrumava em casa, eles decidiram ir para o Ibirapuera fazer um piquenique em família, Elizabeth colocou um belo vestido florido e seu melhor óculos de sol, ela estava animada, fazia tempo que a família não tirava um tempo para saírem juntos.
Alberto, Pedro e Matheus esperavam lá em cima, embora sempre fosse o contrário, porque Beth sempre se arrumava primeiro do que eles, ela era sempre pontual em qualquer compromisso, Beth era uma mulher sem defeitos, pelo menos era o que parecia ao ver de qualquer um.
Lá na sala, o celular de Alberto começou a tocar mais uma vez, e ele foi mais uma vez para o jardim atender o telefonema.
-Para de me ligar, pelo menos hoje! Eu vou sair com minha mulher e eu quero paz! Dizia Alberto com uma furiosa.
Ele voltou para a sala e os meninos nada perguntaram.
-Estou pronta! Dizia Elizabeth descendo as escadas toda bonita e irradiando felicidade.
Eles pegaram o carro e foram para o Ibirapuera.
Enquanto isso na casa de Márcia, Fernanda havia voltado pra lá para explicar melhor para Márcia tudo o que estava acontecendo em sua vida, Márcia explicou que começou a lembrar do passado e teve que ir ao encontro de Madame Boulevard para ver se esclarecia algumas coisas.
Naquela hora, Fernanda começou a lembrar das situações que ela tinha passado naquela época, Fernanda tinha se envolvido com prostituição, drogas, crimes de extorsão entre outros delitos.
-Pare Fernanda, você é mais forte do que isso, não deixe que isso lhe abata, você lutou muito pra esquecer as coisas horríveis que você passou, e você se recuperou de tudo aquilo, e admitiu o teu perdão diante a Deus. Disse Márcia confortando à amiga que não parava de chorar.
Fernanda deitou-se no colo de Márcia, fechou os olhos e chorou, querendo esquecer tudo.

12h30min
Juliana subia as escadas com uma bandeja de café pra Marcelo, havia chegado à hora dela contar a verdade para Marcelo, chegando ao quarto ela sentou na cama, sacudiu Marcelo levemente.
-Bom dia amor, hoje eu trouxe seu café na cama. Disse Marina segurando o choro.
-Amor. Obrigado. E alguém ligou hoje...?

FIM DO CAPÍTULO 3

terça-feira, 18 de agosto de 2009

Conheça como é feito o álcool em gel

No site ‘Metamorfose Digital temos um artigo que nos ensina a fazer o álccol em gel que transcrevo abaixo e no final um vídeo explicativo :

Os ingredientes podem ser encontrados em qualquer fármacia ou drogaria de manipulação.



Ingredientes:
Para 1 litro de gel antibacterial

- 700ml de álcool a 96% (ou 1 litro de álcool a 70%)
- 300 ml de água
- 7.1/2 colherinhas de chá de carbopol
- 2.1/2 colherinhas de glicerina
- 2.1/2 colherinhas de trietanolamina

Se quiser que o gel tenha cor, precisa adicionar algumas poucas gotas de colorante vegetal.

Se deseja que o gel tenha aroma, pode agregar umas gotinhas de essência da sua escolha também encontradas em drogarias.

Instrumentos:

- Uma vasilha de vidro com capacidade de um litro
- Um coador de malha fina
- Um recipiente pequeno de vidro
- Um batedor de ovo
- Um recipiente de plástico

Preparo:
Coloque o coador sobre o recipiente pequeno e peneire o carbopol para desfazer os grumos. Utilize uma colher, se necessário, para pulverizá-lo por completo.

No recipiente grande, coloque a água e o álcool e acrescente o carbopol lentamente enquanto mistura fortemente com o batedor.

Quando o álcool e o carbopol estiverem bem misturados, acrescente a glicerina lentamente, misture suavemente e depois coloque a essência e o colorante se desejado.

Assegure-se de que tudo está bem misturado e acrescente pouco a pouco a trietanolamina, primeiro uma colherinha; mistura bem; depois outra colherinha e mistura, até que você obtenha a consistência desejada.

Se por algum motivo a mistura ficar muito pastosa, acrescente, pouco a pouco, mais álcool até obter novamente a consistência desejada.

Ao final guarde o produto no vasilhame escolhido e tampe bem para evitar a evaporação.

No vídeo abaixo, produzido no México e em idioma espanhol temos praticamente a mesma receita acima, mas as dosagens usadas são para a produção de uma menor quantidade.

http://www.youtube.com/watch?v=ivVk7lcF2QI&feature=player_embedded




Este outro site também tem uma receita e explicação sobre a confecção caseira do álcool em gel :
http://formulasgratis.blogspot.com/2009/05/como-fazer-detergente-liquido-domestico.html


O intuito deste artigo é levar ao conhecimento de outras pessoas como é produzido o álcool em gel.
As fórmulas apresentadas em qualquer meio de divulgação não estão diretamente vinculadas à indicação de negócio ou sugestão de possibilidade de ganho.

Caso este seja o objetivo, a empresa deverá estar constituída e de acordo com as normas legais da legislação competente e referente ao segmento.

Além do que a empresa deve ter um profissional da Química como Responsável Técnico pela qualidade e segurança dos produtos, bem como, se necessário, obter licenças para aquisição de produtos químicos controlados, quando for necessário, dentre outros.

Lembramos que o álcool é inflamável, portanto, se resolver produzir o álcool em gel por livre e espontânea vontade, tenha cuidado na hora do preparo e mantenha o produto longe do alcance de crianças. É recomendado possuir noções básicas de química.

domingo, 9 de agosto de 2009

O Universo de um instante - capítulo 5


Salvação
1
Mais um dia doloroso para a familia Nunes. Todo domingo, Alice prometia ao pai que faria para janta churrasco, seu prato preferido, na esperança de que ele fique ao menos um dia do fim de semana com ela. Mas a meses isso não acontece: os fins de semana de Alice se resumem em chorar quieta em seu quarto enquanto nada mais importa a não ser rever aquele homem tão importante em sua vida. Amanhece e ela toma uma decisão que mudaria a sua e a vida de outras pessoas: hoje veria seu pai, não importa o que custe.
Sua mãe a chama para que a ajude com o jardim, enquanto planta mudas de carvalho, araçá e erva-mate. Madalena era madura e atraente, uma mulher forte que despontava em seus 30 anos. Em sua cabeça, um lenço verde da cor de seus olhos embrulhava seus cabelos crespos de modo que a fazia parecer uma descendente negra de italianos. Apertava firmemente uma pá com suas mãos delicadas, quando viu sua filha dirigindo-se a ela, ainda mastigando o que fora um breve café da manha.
- Filha, faz um favor. Pega essa muda e coloca nesse buraco que a mãe cavou.
- Coitadinha da muda, só por que ela não fala a senhora vai enterrar a pobrezinha. - Disse Alice, em um tom irreverente que certamente puxou de seu pai, e que foi o que fez Madalena se apaixonar por aquele homem, ausente nesse momento importante. A mulher demorou um instante para entender, pousou a pá e riu abertamente, virando o rosto para cima, para que sua filha não visse que lágrimas brotaram em seus olhos. Alice achava que sabia que estava sendo difícil para a mãe.

Mas ela não fazia a menor idéia do quanto.

2
Duas pessoas se encaravam em um parque. Nenhuma delas pode ou quis contar quanto tempo eles ficaram imóveis olhando um para o outro. Uma sorria feliz e ansiosa e a outra estava apática, como se sua mente não estivesse consigo.

- GRÁVIDA?!?!?!
- Uhum! - Suzana sabia que o agora viria aquele sorriso no rosto do namorado, que ele a abraçaria e diria que tudo vai ficar bem. Mas Juliano pôs a palma da mão direita na testa , e abriu mais a boca, numa expressão de total desacreditamento. Ele não sabia o que dizer, mas não parava de encarar Suzana. A garota começou a ficar nervosa, o sorriso, o abraço e o beijo estavam demorando demais. - Fala alguma coisa pelo amor de Deus! - disse ela.
- Isto é..... horrível.
As emoções de Suzana afloraram. Como enfermeira, sabia que a gravidez traria, alem de muitas coisas bonitas, insônia, irritabilidade, desânimo e menstruações com intervalos irregulares. Sabia que começaria a sentir coisas diferentes agora, e achava que estava preparada. Mas as três palavras proferidas por seu namorado a atingiram como um punhal traidor.

- Como assim horrível?
- Suzana, não estamos prontos pra isso, é um passo muito maior que nossas pernas.
- E o que tu espera que eu faça? Jogue o bebê em um rio?
- Claro que não, mas me diz uma coisa, tu sabe como funciona o aborto? É perigoso?

Agora ela começou a chorar. A tristeza geralmente assola os corações mais doces. Ela não conseguia entender como ele pudera pensar nisso. Como pudera ser tão insensível, tão cruel. Não parecia mais o homem pelo qual se apaixonara.
- Não me interessa se é perigoso ou não. Eu não vou abortar o meu filho.... nosso filho!
Juliano pegou suas mãos e apertou, olhou fundo nos olhos dela e disse:
- Suzana, presta atenção no que eu vou te falar. - Ela chorava quase desesperadamente - Eu te amo, e eu sei que ter um filho seria uma coisa linda, ainda mais com voce, mas eu sofro muito pra poder sustentar nós dois. Trabalho o dia inteiro, e não ganho bem o suficiente pra poder ter um filho. Eu sei que quando tu te formar vai poder nos ajudar, mas isso demoraria mais dois anos e agora não podemos ter essa criança. O dinheiro que eu consegui vendendo todos os meus livros, que significavam muito pra mim ja está acabando e moramos em um apartamento que parece uma caixa de fósforo. Com esse aumento que eu ganhei, podemos no máximo comprar o carrinho mais barato, mas como pagaremos fraldas, comida, e todas as outras despesas?
- A gente dá um jeito, eu posso voltar pra casa da minha mãe, podemos contatar seu primo de Curitiba, eles certamente poderão nos ajudar.... não importa, somos fortes, podemos criar essa criança com muito amor e carinho.
- Eu sei disso Su, mas amor e carinho não matam fome, nós dois sabemos o quanto sua mãe me odeia e o quanto ela te rejeitou por minha causa, e eu não sei do que ela é capaz se descobrir que tu terá um filho meu, e só pra ti saber, o Augusto morreu ano passado. Su, me promete que tu vai pensar na idéia do....
- EU NÃO VOU PENSAR EM NADA! - Suzana gritou, imperativamente - Não vou abandonar essa criança, está me ouvindo?! NÃO VOU! - Colocou a mão na barriga e saiu correndo para casa. Juliano não a seguiu e permaneceu sério. Gostaria de ficar ali mais dez minutos para revisitar todas as possibilidades mas tinha que voltar ao trabalho afinal, agora mais do que nunca precisaria dele. No fundo, ele queria aquela criança e estava muito feliz por isso. Mas era um homem sério e sensato, e pensando no futuro, acabou brigando com a namorada.

texto de Robson "Meteoro" Rodrigues/ CONTINUA...

quinta-feira, 6 de agosto de 2009

Gripe ( suína ) - Florais, Homeopatias, Fitoterápicos e Alimentos que protegem

Olá, coletei vários tratamentos naturais preventivos e para quem está infectado com gripe em geral, que podem ser utilizados para a gripe suína ( H1N1 ).

Devemos ter em mente os cuidados gerais com o nosso corpo para fortalecer o nosso sistema imunológico ao invés de – somente – buscar vacinas e medicamentos em geral, pois a prevenção sempre é mais fácil.

Dúvidas sobre uso e contra-indicações, consulte seu terapeuta ou um médico.

Lembramos que pessoas infectadas devem procurar um médico


1) Florais
1.a)
Fitofloral de Minas : IMUNIS
http://www.lilasflorais.com.br/fitoflorais.php

1.b)
Florais de Saint Germain :
Fórmula Influenza S.: Algodão+ Boa Deusa+ Leurus Nobilis+ Pepo+ Pinheiro + Libertação+ Sapientum+ Scorpius+ Unitatum+ Varus.
- Como prevenção : 4 gotas 4 vezes ao dia durante 4 dias.
- Infectados : 4 gotas de hora em hora...
http://www.fsg.com.br/

2) Alimentos
- Cebola
- Alho
- Alga Spirulina
- Brócolis
- Cenoura
- Abóbora
- Batata doce
- Acerola
- Figo
- Limão
- Laranja
- Caju
- Abacaxi
- Kiwi
- Ovos
- Amêndoas
- Nozes
- Castanhas
- Couve
- Espinafre
- Couve
- Alface
- Feijão
- Cogumelo Agaricus blazei ( Cogumelo do Sol )
- Cogumelo Shitake
- http://www.jmfbrasil.com.br/nutricao4.asp
- http://www.plantamed.com.br/fitoterapicos/Biogapi/Cogumelo-da-vida_200g.htm
- http://www.noticiado.com/alimentos-para-prevenir-a-gripe-suina-sucos-frutas-e-verduras.html
- http://www.seagri.ce.gov.br/siga/frutas_na_alimentacao.pdf
- http://www.terra.com.br/culinaria/abc/a.htm
- http://www.dicasdotimoneiro.com.br/gripe-suina-dicas-do-dr-marcio-bontempo/



3) Óleos
3.a)
Óleo de Copaíba puro.
5 Gotas pela manhã e 5 gotas à noite.
Pingue as gotas num xícara com água morna e tome.
O óleo de copaíba é muito usado em xaropes pela sua capacidade expectorante.
Contra-indicações: não é recomendado para grávidas, lactentes ou pessoas com afecções gástricas. Cuidados: não usar por mais de dez dias.
http://www.drashirleydecampos.com.br/noticias/847

3.b)
Eucalípto - Resfriado, gripe e congestão nasal
3 gotas de óleo essencial de EUCALIPTO.
Fazer inalação com água quente.
http://www.astral.oxigenio.com/aromaterapia/1001_utilizacoes_viasrespiratorias.htm



4) Homeopatias
4.a)
1º mês - Melinis minutiflora ch 06/20 ml
2º mês - Schinus mole ch 06/20 ml
3º mês - Scilla marítima ch 06/20 ml
4º mês - Carbo vegetabilis ch 06/20 ml
5º mês - Sulphur ch 06/20 ml
6º mês - Arnica Montana ch 06/20 ml
7º mês - Melinis minutiflora ch 12/20 ml
8º mês - Schinus mole ch 12/20 ml
9º mês - Scilla marítima ch 12/20 ml
10º mês - Carbo vegetabilis ch 12/20 ml
11º mês - Sulphur ch 12/20 ml –
12º mês - Arnica Montana ch 12/20 ml
Usar 5 gotas 2x ao dia
http://www.homeopatias.com/jornal_2006_gripe.php


4.b)
Prevenção:
Aviarium 200 CH……………………..30 ml
Influenzinum 200 CH……………….30 ml
Álcool a 20%
Tomar 10 gotas uma vez por semana, cada semana um, alternados. Para crianças pequenas, 5 gotas.
http://www.dicasdotimoneiro.com.br/gripe-suina-dicas-do-dr-marcio-bontempo/


4.c)
Para qualquer gripe :
Aconitum napellus 3 CH
Antimonium tartaricum 3CH
Allium cepa 3 CH
Bryonia alba 3 CH
Belladonna 5 CH
Gelsemium 5 CH
Fazer 30 ml, em partes iguais (pedir : ãã)
Álcool a 20%.
10 gotas a cada meia até melhorar.
http://www.dicasdotimoneiro.com.br/gripe-suina-dicas-do-dr-marcio-bontempo




5) Fitoterápicos
5.a)
Chá Verde
Possui grande concentração de polifenóis que inibem a enzima neuranimidase, responsável pela reprodução do vírus.
http://blogs.abril.com.br/umbandaastrologica/2009/05/cha-verde-pode-ser-alternativa-no-combate-gripe-suina.html


5.b)
Equinácea ( anti-biótico natural )
Fitoterápico mais conhecidos na prevenção de gripes.
http://www.ervasbr.com/nomes-populares/equinacea.html

5.c)
Chá de gengibre
Beber chá de gengibre fresco, forte, uma xícara 3 vezes ao dia.
http://www.dicasdotimoneiro.com.br/gripe-suina-dicas-do-dr-marcio-bontempo/


5.d)
Lista de PLANTAS MEDICINAIS PARA LIMPEZA DO SANGUE Você com o seu sangue puro não estará facilitando a penetração do vírus da gripe aviária e de quaisquer outras doenças, tidas como sem cura na medicina oficial, alopática, tida também como “científica”
//
Fitoterapia Usar plantas depurativas do sangue:
1ª semana: 1 Agrião, 2 Bardana, 3 Batata de purga,
2ª semana: 4 Raiz de cararu bravo, 5 Chapeu de couro 6 Cipó mil homens
3ª semana: 7 Dente de leão, 8 Erva de burgre; 9 Limão
4ª semana: 10 Pau ferro; 11 Sabugueiro; 12 Salsaparilha,
5ª semana: 13 Sassafrás; 14 Serralha brava; 5 Sete sangrias,
6ª semana: 16 Taiuá; 17 Tansagem; 18 Tarumã
7ª semana: 19 Urtiga vermelha; 20 Capim gordura; 21 Pita
Com três ervas da lista acima fazer um chá e tomar meio litro por dia, em diferentes horários, em cada semana
A cada semana, mudar para outras três ervas
A combinação das três ervas pode ser alterada Fica a vontade, pode-se fazer outras combinações Se não encontrar todas, usar a ervas que encontrar Após completar uma rodada de 21 ervas ou 7 semanas, recomece novamente o tratamento Nunca usar um chá fitoterápico ou planta medicinal, por prazo muito prolongado, pois pode gerar novas doenças na pessoa (patogenesia da planta).
http://www.homeopatias.com/jornal_2006_gripe.php


6) Xarope natural
Tosse - Xarope de cenoura :
Bater a cenoura no liquidificador, coar na peneira e depois acrescentar mel e ferver até virar um xarope.
Para criança 1 colher de sopa 3 vezes ao dia; para adulto: 6 x ao dia.
http://www.lyndha.com/plantas/antigos.htm

Para gripe e tosse : Xarope de Rabanete :
Usar Rabanete = fazer igual ao xarope da cenoura acima.
http://www.lyndha.com/plantas/antigos.htm


7) Outros
- Sol
- Contato com a natureza
- Acupuntura
- Água
- Atividade física ( Preventivo, para quem não está com gripe )
- Descanso
- Escalda pés (http://bonsfluidos.abril.com.br/edicoes/0012/rituais/a.shtml )

por João Carlos Cordeiro - jccordeiro@globo.com