Pesquisar este blog

quinta-feira, 25 de junho de 2009

Seis noites de amor numa noite insônia gelada.

Na primeira noite você vem e me diz que me ama
Eu só pensando em te levar para a cama
Fazendo amor com tudo que temos direito
Eu ejaculando no seu peito
De cachorrinho, papai-mamãe, não importa o jeito
Eu só te comendo
Na segunda noite você me enoja
Me contando das suas outras aventuras amorosas
Que bom que não sou homem de oferecer rosas
Entre as suas pernas iria morrendo
Aproveitando cada momento dos nossos orgasmos conjuntos
Na terceira noite você me provoca perguntando
Se eu já amei alguém
Digo que fujo de compromissos, que não sou nem um pouco solicito
Que eu não desejo me amarrar
Vamos parar com o interrogatório e gozar até ficar sem ar
Na quarta noite te deixo na mão, você se masturba e nem me excito
Não vejo mais nós dois juntos
Na quinta noite inventamos uma nova posição
Transamos ao ritmo de uma nova canção
Na sexta noite nos olhamos e descobrimos
Somos completamente desconhecidos um para o outro
Você tenta me ensinar uma nova lição
Eu provoco uma parte do seu corpo para levá-la ao chão
No chão nos entendemos, com a nossa atuação ficamos envaidecidos
Acordo, o lençol molhado já não me satisfaz
E a minha mão não mais contem o teu nome
Que noite fria!

4 comentários:

  1. Gostei o texto é muito bacana, vou dar uma lida nos outros também.

    www.blogdorubinho.cjb.net

    ResponderExcluir
  2. uuuuuuuuuui :O
    hauihauia forte, muito bem escrito, gostei :)
    ótimo blog

    ResponderExcluir
  3. Meu dia estava dispensando textos como esse é sério....Ele é muito bom mas não pra hj!

    ResponderExcluir