Pesquisar este blog

sexta-feira, 8 de maio de 2009

O Universo de um Instante - capítulo 1


Astrônoma
1
TRRRRRIIIMMM

Carolina abre os olhos assustada, desprendendo-se de seu sonho. Agarra o relógio e o traz para dentro da lona formada pelo lençol azul-claro que a tapava do topo da cabeça até o último dedo dos pés, numa tentativa fálida de que o tempo volte para que ela torne a dormir nem que seja por dez minutos a mais.
Sonhara com uma viagem astral em que visitava as estrelas mais distantes independentemente da incapacidade física que sua raça havia lhe deixado como legado. A beleza suprema dos corpos celestes era inconcebível para uma mente não tão criativa. E cada estrela possuía únicas e invariáveis características que tornavam aquele o melhor dos mundos. Carolina caminhava sem medo em direção ao centro do universo, sobre uma plataforma anil-transparente que combinava harmoniosamente com o escuro do universo iluminado somente e suficientemente pelas galáxias próximas, uma estrada que dava vista para centenas de milhares de constelações. Ela conhecia muitas, mas queria conhecer todas.

2

Mas se ela poderia andar no espaço não importava mais, estava atrasada...
Levanta de sua cama de solteiro rapidamente. Não há tempo para arrumá-la e ela vai se recriminar por isso depois, mas no momento se concentra em um café da manha que se resume no leite que divide cautelosamente com sua gata Kyka. Liga a televisão no notíciario local. Tendo saciado suas vontades orgânicas restava agora se aprontar para o trabalho e sempre fez questão de ir bem arrumada. Após o rápido banho sentou-se na frente do espelho para se maquiar.

- Logo hoje!!! - pensou enquanto penteava seus macios cabelos negros. Carolina era a mais bonita de 3 irmãos de uma familia descendente de italianos. Tinha os olhos amendoados e um sorriso que forçava as pessoas a se perguntar o que a vida tinha feito para impedir que ela se tornasse uma modelo. Enquanto maquia-se, ela vê distraídamente através do espelho as notícias. Mas apenas uma desperta seu interesse:

* Genebra, 2008. É construído o maior acelerador de partículas do mundo. A organização Europeia para a Investigação Nuclear vai, nesta sexta-feira próxima, ligar o interruptor de um dos mais ambiciosos projetos da história da humanidade: o Large Hadron Collider, LHC, que percorre 27 quilômetros, é uma máquina que acelera dois feixes de partículas em direções opostas a mais de de 99.9% da velocidade da luz, que vai criar um choque de partículas nunca antes visto. O LHC procura replicar o fenômeno que passou a ser conhecido como "Big Bang"*

- Óh meu Deus. - É o que a chocada garota consegue exclamar sobre a notícia inusitada. Agora não há mais tempo, vai maquiar-se no trem. Esse fato tem de ser discutido o quanto antes. Ela levanta, pega a bolsa e sai.

3

Naquela terça-feira chuvosa de junho, uma declinação devastadora do sol em relação à linha do equador traria a Porto Alegre a noite mais longa do ano. Nada notável.Carolina trabalhava de noite e madrugada no Centro de Estudos Astronômicos, o CEA, e adorava o que fazia. Para ela a idéia de trabalhar um pouco mais era muito agradável.

Ela atravessa a avenida principal e dirige-se a passos rápidos até o terminal onde pegará o trem, enquanto rostos curiosos acompanham aquele vulto de calça jeans azul e uma blusa rosa com um decote que exaltava seus seios fartos. Um homem baixo e corcunda, vestindo roupas surradas e encardidas, carregando um saco com latas de refrigerante amassadas, de barba espessa e suja de sangue, saliva e alguma outra coisa que Carolina não conseguiu identificar, - achou que fosse maionese, mas poderia ser algo bem pior - se aproximou com os braços abertos, como se quisesse abraça-la.

Carolina afastou-se do mendigo e riu. Observou-o voltando ao lugar da esquina onde sempre o encontra e disse ironicamente:
- Salve o grande Messias da avenida mais movimentada do bairro mais deserto de Porto Alegre!!
Ele a encarou, e em um tom pouco divertido advertiu-a.
- Tu ousas locomover-se contra os mares de sofrimento que te cercam. Na sinalética dos astros, que tu conheces bem, isso significa destruição. Não só tua, mas de tudo.
Ela sempre irritava-se com pessoas que confundiam seu trabalho.
- Conheço sim a sinalética dos astros, meu bom senhor. Mas não do jeito que voce fala. Eu sou uma astrônoma, e não uma astróloga. Não jogo búzios, leio mão ou tarô, e muito menos acredito nessas coisas. Espero que voce passe bem, adeus.
E assim ela dirigiu-se para o CEA, enquanto a lua a observava curiosamente. De repente um vento cortante e quase visível atravessa o rosto dela, e levanta todos os pelos de seu corpo. Carolina se arrepiou como nunca na vida com aquele vento, que trouxe tambem um mal pressentimento terrível. Aparentemente todos na rua sentiram isso. E o mendigo desmaiou.


texto de Robson "Meteoro" Rodrigues/ CONTINUA... *espero que tenham paciência, meu tempo para escrever é escasso e minha criatividade tem vida própria.*

3 comentários:

  1. Gostei muito, me passa o link pra eu ler a continuação, por favor?

    http://rooh-ludwig.blogspot.com/

    Sucesso!

    ResponderExcluir
  2. Valeu

    mas eu vou postar aqui mesmo a continuação

    ResponderExcluir
  3. OBS: Parei pra ler todos os capítulos de novo. E acabei encontrando muitos erros de ortografia. ERROS TERRÍVEIS, diga-se de passagem. Vou tentar arrumar a medida que tenho tempo, sem estragar a história.

    OBS: PQP, Descansar com "Ç" é fogo asaushuhasuhsauhsauhsauhsasa

    ResponderExcluir